Domingo,10 de Janeiro de 2021

Os ataques do Maiorana

Depois da eleição para diretoria do Paysandu, o diretor do grupo Liberal, o advogado e jornalista Ronaldo Maiorana, via redes sociais, fez várias revelações e denúncias, sugerindo que houve roubo, por parte do sócio de um ex-senador, na negociação para trazer a seleção brasileira masculina de basquete para jogar em Belém.

Nos ataques, Ronaldo diz que vai averiguar e contar toda a história do presidente do Paysandu, Maurício Ettinger, de Ricardo Gluck Paul, um ex-senador, o filho de um ex-governador, o sócio de um ex-senador e todos os seus laranjas...

Na postagem, Maiorana provoca o Ministério Público Federal a investigar tudo, pois, segundo o denunciante, somados os crimes de todos, dariam milhares de anos de cadeia. Na postagem, que se configura em adrenalina pura, Ronaldo diz que existem cópias das denúncias com suas irmãs e amigos. “Se algo acontecer comigo foi o ex-senador, o seu sócio, são casados com duas irmãs que mandaram fazer algo”.

Maiorana finaliza o post falando que tudo está envolto com corrupção, sonegação fiscal, agiotagem e, pasmem, o assassinato de duas pessoas. A postagem é datada de semanas atrás e as denúncias não ganharam as páginas de O Liberal, muito menos foram oficializadas.

Fica aqui o registro dos fatos, lembrando que não se trata de especulações ou ilações de O Antagônico, uma vez que tudo foi publicado pelo próprio Ronaldo Maiorana.

A Covid e a reinfecção

Um grupo de pesquisadores está produzindo estudos para tentar entender os efeitos da pandemia em Manaus, capital do Estado vizinho, Amazonas. Os pesquisadores estão analisando um possível caso de reinfecção ocorrido na capital.

O paciente, primeiramente, foi assintomático, mas, testando positivo, inclusive com o teste RT-PCR em junho, e se reinfectando em outubro apresentando um quadro um pouco mais grave. A afirmação é do cientista Lucas Ferrante, mestre em biologia, doutorando do programa de biologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

Na última quinta-feira (7), 204 novas internações por Covid-19 foram registradas no Amazonas, com 46 óbitos.  1.239 pessoas encontram-se internadas em tratamento da doença.

O estado voltou a vivenciar um surto, e a capital passou a sofrer, mais uma vez, com hospitais e cemitérios lotados.  Dentre os casos graves está o do levantador de toadas do boi-bumbá Garantido, David Assayag, que foi transferido para a UTI de um hospital particular, em Manaus, na quinta-feira (7), para continuar o tratamento contra a doença. Ele está internado desde domingo (3).

O governador e Itaituba

Pouca gente sabe, mas, o atual governador do Amazonas, o jornalista Wilson Lima é paraense. Enrolado até o pescoço em denúncias de corrupção e desvios de recursos na compra de respiradores, (qualquer semelhança com o Pará é mera coincidência), Lima nasceu em Santarém, mas, começou a atuar no jornalismo na cidade de Itaituba, no oeste paraense, trabalhando na TV Eldorado, repetidora da Bandeirantes.

Em 2002, ele se mudou para a capital amazonense, onde passou a apresentar um programa de televisão com linguagem popular e combativa, visibilidade que o levou a ocupar o posto mais alto do governo do Estado do Amazonas.

O vereador de 9 milhões de dólares

O site do Zé Dudu, o jornalista mais bem informado do sudeste paraense, revela que o vereador Ivanaldo Braz, eleito presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, a mais rica do Pará, está ocupando a cadeira que vale quase 9 milhões de dólares — US$ 8,55 milhões para ser exato, com o dólar cotado na sexta-feira (8) a R$ 5,38.

A Câmara de Parauapebas tem orçamento de R$ 46 milhões para 2021 e é mais rica que 35 das 144 prefeituras paraenses.

Braz e o seu fiel escudeiro, Welligton Pablo Oliveira, agora diretor financeiro da Casa, serão os únicos que poderão movimentar, em conjunto, as contas bancárias de titularidade da Câmara de Parauapebas. Os dois “homens de 9 milhões de dólares” vão poder, só eles, emitir cheques, fazer pagamentos e efetuar saques.

Dinheiro na conta é o que não falta !!!!

 

 

Na Rede

O juiz e o chicote

Não convide para dividir uma cuia de açaí o juiz da comarca de Ourilândia do Norte, Juliano Dantas Jerônimo e os serventuários do Fórum local. Se alguém vir o magistrado e a sindicalista Danielly Martins abraçados, pode separar que é briga!! Danyelle, que é vice-presidente do Sindicato dos Funcionários do Judiciário do Estado do Pará (Sindju), denuncia que o magistrado conduz os trabalhos na comarca com “mão de ferro”, ameaçando meter no xilindró o servidor que não obedecer suas ordens. Os servidores da comarca botaram a boca no trombone esta semana, denunciando que são vítimas de assédio moral por parte do juiz. A bronca já aterrissou na Corregedoria do TJPA.  Juliano Dantas diz que são levianas e mentirosas as denúncias apresentadas pelo Sindicato.  A Associação dos Magistrados do Pará (AMEPA), por dever de ofício, se apressou em acudir seu associado ressaltando que versão única do fato não corresponde com a realidade e que somente a Corregedoria do TJPA determinará se o juiz cometeu o crime de assédio moral contra os servidores da Comarca de Ourilândia do Norte. A briga promete !!

 

O Barbalho e o Butantan

O paraense, reconhecidamente um forte, mesmo oprimido e massacrado, não perde o bom humor e de tudo faz piada. Não foi diferente na recente visita feita pelo governador Helder Barbalho ao Instituto Butantan, em São Paulo, onde existe um serpentário para visitação pública. “As cobras estão bem? Nenhuma foi picada pelo gov? indagou, nas redes sociais, um internauta irreverente. “Depois que o Helder saiu do Butantan as serpentes foram todas vacinadas!!” Disse outro super irreverente. E as alfinetadas não pararam por aí. “coitadas das serpentes”.  Brincou um. “A cobra do Pará no Butantan”. Retrucou outro. Em tempos de Covid e respiradores da China, a galhofa virou o ópio do povo.

O Verdinho e o Mambira

Essa pérola deu-se na última sexta-feira, em Santarém. Uma peleja de sinuca, que prometia ser o acontecimento do mês, acabou na polícia. A partida, no bar localizado na avenida Jasmim esquina com a rua Rosa Vermelha, (isso dá crônica), atraiu apostas e estava sendo transmitida ao vivo pela internet em um canal do YouTube. O temido “Verdinho”, o “Rui Chapéu” do Amazonas, enfrentaria a fera santarena “Mambira”. Até ai tudo no esquadro. Só que os amantes das bolinhas esqueceram que torneio de bilhar em tempos de Covid caracteriza aglomeração. Não deu outra. Toda a galera, inclusive o “Mambira” e o “Verdinho”, foram parar na delegacia. Prá piorar a situação a polícia ainda encontrou maconha dentro do recinto onde ocorreria a refrega. No bar, a Polícia encontrou mais de R$ 42 mil em espécie, apesar da tentativa frustrada dos apostadores de esconder o dinheiro dentro de panelas. Deu zebra !!!

Os advogados e o tabelião

A jurupoca piou e rodopiou depois que o tabelião do cartório do 1º Ofício da Comarca de Santarém, Clarindo Ferreira Araújo, resolveu passar a perna nos advogados e corretores de imóveis da Pérola do Tapajós. Explica-se: o referido cartorário, jogando às favas os escrúpulos, mandou distribuir panfleto informativo aos jurisdicionados sugerindo a dispensa da “intermediação de terceiros”, prometendo, ele mesmo, resolver qualquer bronca com “simplificação, menor burocracia e agilidade”. Para bom entendedor meia palavra basta. O que pretende Claurindo, isto é evidente, é vender o frango e comer o frango. Os causídicos e corretores chiaram e a celeuma rendeu uma nota de repúdio da OAB do Pará, com promessa de processo e denúncia administrativa. O bicho vai pegar !!!

 

Os serventuários e o auxílio

É de lascar !! A Corregedoria de Justiça das Comarcas do Interior do TJE do Pará, instaurou procedimento contra diversos serventuários que solicitaram e receberam auxílio emergencial do governo federal. Dentre os “contemplados” está Maria Catiana Viana Pinto, servidora do fórum de Tucuruí e Armando Augusto Dantas Gama, da Comarca de Bragança. A treta só veio à tona graças a uma parceria do Tribunal de Contas do Estado, TCE-PA, e a Controladoria Geral da União, resultando em um procedimento administrativo disciplinar para investigar os servidores que aproveitaram a “forcinha” do Bolsonaro. TCE e CGU identificaram que o chamado “Auxílio Emergencial” reforçou o orçamento de servidores públicos ativos e inativos vinculados ao Tribunal de Justiça do Estado do Pará recebedores de parcelas do referido benefício. A lista é extensa e promete ainda muitas surpresas. Catiana, servidora de Tucuruí, já se apressou em devolver R$3.600,00 (três mil e seiscentos reais), informando que solicitou o cancelamento imediato da “ajuda”.  Isso certamente não livrará a mesma das penalidades cabíveis, entre elas Processo Administrativo Disciplinar pela prática de improbidade administrativa. Já no caso do servidor de Bragança, o mesmo alegou que foi vítima de fraude, asseverando que a Caixa não teve a mínima cautela ao transferir as verbas atinentes ao auxílio emergencial ao seu nome, que jamais efetuou qualquer cadastro, tampouco buscou auxílio pecuniário de qualquer ordem.

O Ouro e Serra Pelada

O jornal Folha do Progresso, do atento jornalista Adécio Piran, divulgou uma informação que deixou em polvorosa a comunidade garimpeira. A descoberta de uma nova área com ouro em Serra Pelada, município de Curionópolis, a 130 km de Marabá, está atraindo muitos garimpeiros para o local. A área fica próxima a entrada do túnel de acesso construído e abandonado pela empresa canadense Colossus, que se instalou no local para explorar o ouro que está no fundo do lago formado com escavação do garimpo de Serra Pelada na década de 1980. Na semana passada, dez requeiros (pessoas que escavam terrenos em busca de ouro no local) descobriram um filão do minério na área, inclusive conseguiram extrair algumas pepitas próximo a superfície, e espalharam a notícia. No total, esse filão de ouro teria cinco quilômetros de extensão e estaria entre cinco e sete metros de profundidade. A partir daí, iniciou-se uma nova corrida do ouro ao local. O terreno está sendo demarcado e no fim de semana se intensificou o número de pessoas que estão chegando à Serra Pelada para tentar a sorte de “bamburrar” com a extração de metal precioso, como a 40 anos. Uma empresa de Marabá estaria negociando com os garimpeiros para explorar a área com o uso de maquinário em áreas mais profundas. A oferta estaria em 40% do que for explorado para os garimpeiros e 60% para a empresa, mas, segundo fontes, ainda não houve acordo.

Hoje é domingo, 10 de janeiro. O couro vai comer a noite no Mangueirão. É dia de RE X PA !! um bom dia aos leitores. Estaciono as teclas !!

.