• O Antagônico

A Cosanpa, A Sólida Construção Ltda, O Zenaldo, O Acordo com o Governo e o Silêncio do Diário



Quem te viu, quem te vê. A empresa Sólida Construção Ltda, que na administração do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, foi bombardeada pelo Diário do Pará, hoje não merece nenhuma nota de rodapé no jornal de campanha do governador. No Diário Oficial desta quinta-feira, 13, uma portaria homologa o aditivo do contrato da Cosanpa com a Sólida, no valor de R$ 25.387.017,70 (vinte e cinco milhões e trezentos e oitenta e sete mil e dezessete reais e setenta centavos).


O valor, contudo, não chamou a atenção do jornal dos Barbalhos. Bem diferente de agosto do ano passado, quando o jornal estampou em suas páginas que a empresa, aberta em junho de 2011, teve um crescimento exponencial nas duas gestões de Zenaldo Coutinho a frente da Prefeitura de Belém. Conforme o DIÁRIO, a empresa saiu de um faturamento anual de R$ 8.692.050,77 em 2014, segundo ano da gestão de Zenaldo; para R$ 35.218.785,46 em 2019, aumentando seu faturamento em mais de 4 vezes num período de apenas 5 anos.


“A empresa realizou várias alterações em seu capital na Junta Comercial do Estado (Jucepa) desde que foi fundada em 2013 pelos sócios Dênis de Barros Coelho e Cesar de Barros Coelho, com capital de R$ 200 mil no município de Mãe do Rio, sudeste do Estado. Atualmente a sede administrativa da Sólida funciona num moderno edifício comercial no centro de Belém. Hoje, o capital social da empresa é de R$ 15 milhões, o que representa um aumento no seu valor na ordem de 75 vezes nos últimos 7 anos”.

Diz uma das matérias do Diário, frisando que, mesmo sem nenhuma ilegalidade, esse grande crescimento da empresa chama a atenção pelo sucesso empresarial, que possibilitou que ela participasse de todas as milionárias licitações da prefeitura de Belém nas áreas de macrodrenagem, dragagem de canais, limpeza de comportas e locação e máquinas e equipamentos.


E o jornal fez um levantamento do histórico da empresa nos últimos anos. Em 8 de março de 2013, a empresa tinha R$ 200 mil integralizados de capital social e sede na rua Cristóvão Santos S/N, bairro Centro, em Mãe do Rio, já tendo como sócios Jarbas da Silveira Coelho Sarmento Filho e Paula Malvina Coelho Sarmento da Costa Pinto. Em seguida, os dois saíram da sociedade: Jarbas, que detinha 50% da sociedade no valor de R$ 100 mil cedeu todas as suas cotas para Temis de Barros Coelho Sarmento. Já Paula Malvina também cedeu os R$ 80 mil da sociedade que lhe cabia para Temis e outros R$ 20 mil para Irlandes Nicodemos dos Santos, sendo Temis a sócia-administradora da empresa.


Em 21 de maio de 2014, numa nova alteração contratual, um ano e dois meses depois, a empresa muda de sede: sai de Mãe do Rio e se instala em Belém, mudando também o objetivo social, incluindo estratégicos serviços de obras de terraplenagem e aluguel de máquinas e equipamentos para construção. Nessa alteração, Irlandes sai da sociedade e doa suas cotas para Iasmim Souza Andrade. Agora sócias, Temis Sarmento e Iasmim aumentam em mais de seis vezes o capital social da empresa, que passa de R$ 200 mil para R$ 1,3 milhão acrescentando aos bens da empresa apenas três guindastes. Com a mudança, Temis passa a deter 90% das cotas da empresa no valor de R$ 1,170 milhão; e Iasmim Andrade com o restante das cotas.

453 visualizações0 comentário