• O Antagônico

A Federação Paraense de Futebol. A Novela da Eleição. A Graciete. As Manobras e o Ultimato do Brabo

Atualizado: 19 de mar.



Há algo de podre rondando a eleição para a Federação Paraense de Futebol. Diante da demora da presidente em exercício, Graciete Maués, em marcar a data do pleito, o promotor de justiça Sávio Brabo, enviou recomendação à Federação, dando prazo de 72 horas para publicação do edital de início do processo eleitoral.


Ocorre que Graciete não deu a mínima para a recomendação do representante do parquet. O que se diz por lá é que a presidente interina está maravilhada com o cargo e entende que o MP não tem nada que meter o bedelho nos assuntos da Federação. Está enganada a presidente da Tuna !! O Ministério Público tem a obrigação de fiscalizar toda e qualquer associação, federação ou entidade que receba ou movimente dinheiro público.


Na recomendação, datada de duas semanas atrás, Sávio Brabo afirma que em caso de descumprimento o MP poderá ingressar com Ação Civil contra a entidade. Ou seja, a considerar pelas 72 horas já transcorridas, é de se esperar ação mais enérgica do parquet. Para melhor compreensão do leitor, Graciete Maúes assumiu interinamente o comando da Federação Paraense de Futebol por conta do impedimento do presidente Adelcio Torres, que tenta, contra tudo e contra todos, abocanhar mais um mandato.


Na prática, ela só está na Federação cumprindo tabela, e assumiu a mesma na condição de presidente da Tuna, clube mais antigo inscrito na Federação. A questão é que Graciete enfrenta muita rejeição, inclusive dentro da própria Tuna, sendo que ela ganhou a presidência do clube em uma votação apertadíssima. Para se ter uma ideia do tamanho do problema, os sócios da Tuna dizem que o time está abandonado, enquanto Graciete Maués, ao invés de se preocupar com os problemas do clube, está brincando de ser presidente de federação. Tanto isso é verdade que o time foi eliminado pelo Ceará, por 2x0, na segunda fase da Copa do Brasil.


O Antagônico recebeu a informação de que o time viajou para Fortaleza com 18 atletas, 4 a menos do que manda o regulamento, porém levou 10 dirigentes para um agradável passeio na capital cearense, tudo bancado pelo clube.


Voltando à eleição da Federação, o que se comenta a boca pequena é que o presidente Adelcio Torres sabe que vai concorrer com remotas chances de vitória. Mas ele não joga a toalha e estaria movendo céus e terra para reverter este quadro. Uma das manobras seria alterar o quadro de aptos a votar. Nessa seara dois nomes estão no olho do furacão: o de Mário Gugu, diretor de departamento do interior, e o de Maurício Bororó, secretário geral da Federação.


Nomeados para organizar a lista dos aptos a votar, Mário e Bororó são claramente suspeitos para atuar neste campo, pois o primeiro é vice na chapa de Adelcio e Bororó tem a esposa, Ana Bororó, como vice em outra chapa. Ou seja, raposa não pode vigiar galinheiro. Para uma chapa ser considerada apta para votação precisa de 25% de aprovação dos aptos a votar, ou seja, 32. Antes da eleição ser suspensa, o candidato Ricardo Gluck Paul apresentou 90 nomes, mais do que o dobro do mínimo. Agora, o que se diz é que a chapa de Adelcio vai tentar de tudo para reduzir o número de aptos a votar e inviabilizar os votos daqueles que sabe que não são seus. Falta só combinar com o fiscal da lei, o promotor Sávio Brabo, que na recomendação emitida para a Federação já adiantou que a lista de aptos a votar deve ser mantida. Aguardemos os próximos capítulos !!!

524 visualizações1 comentário