• O Antagônico

A Máfia das Ambulâncias. A Sespa. A CKS. A Manupa. As Irmãs de Salvador e a Rua da Armação

Atualizado: Set 30



Como já anunciado aqui no site, muitos escândalos de corrupção ainda estão por explodir na desastrosa gestão do governador do Pará, Helder Barbalho. A bola da vez é a previsão de compra de 340 ambulâncias pela bagatela de R$ 90 milhões de reais. A quantidade de veículos e o valor milionário, por si só já seria suficiente para atrair a atenção do Ministério Público paraense, que atualmente se encontra em evidente estado letárgico, mesmo diante de gritantes indícios de corrupção em vários setores do governo do Pará.


Ao que tudo indica, mesmo depois do escândalo das OSs, dos respiradores, das garrafinhas e tantos outros, o pior ainda está por vir. Vejam só !! Das três empresas contratadas pelo governo do Pará, com dispensa de licitação, para fornecer as 340 ambulâncias para a SESPA, a CKS Comércio de Veículos, a Manupa estão sendo investigadas e envolvidas em denúncias de fraudes em várias cidades do Brasil. Comecemos com a CKS. A empresa pertence às irmãs Camile Vianna Freitas e Sara Vianna Freitas, que moram em um mesmo endereço no bairro da Armação, em Salvador, capital da Bahia. Não por acaso, a CKS e a Manupa, aparecem em vários processos licitatórios Brasil afora e fazem dobradinha em propostas.


No município de Carmópolis, em Sergipe, o prefeito da cidade, Alberto Narciso da Cruz Neto, o 'Beto Caju', e três secretários municipais foram afastados dos cargos acusados de envolvimento em crimes de superfaturamento de cestas básicas e de uma ambulância que foi comprada com o dinheiro da venda do teleférico da cidade. As duas irregularidades podem ter rendido um prejuízo de mais de R$ 346 mil aos cofres públicos. A empresa que vendeu a ambulância para a prefeitura, com dispensa de licitação, é a 'Mabelê Comércio de Veículos'. O veículo saiu pelo preço de R$ 226.900,00. A Mabelê está ligada a uma segunda empresa de veículos que apresentou, em 23 de março, o orçamento da mesma ambulância à prefeitura: a 'CKS Comércio de Veículos Eireli'. As duas firmas ocupam salas diferentes de um mesmo edifício empresarial no bairro de Patamares, na capital baiana.


No municípios de Poções, também na Bahia, o Tribunal de Contas do Estado recebeu denúncia dando conta de que a CKS apresentou documentação falsa para participar de uma licitação em que sagrou-se vitoriosa. O Atestado de Capacidade Técnica apresentado pela empresa CKS estava em nome da Prefeitura Municipal de Cachoeira. No documento, consta que a CKS entregou a prefeitura de Cachoeira 03 veículo tipo ambulância 0 km através do Pregão Presencial nº 066/2018. No entanto, O documento foi assinado por Leonardo Boaventura, que assinou como secretário de administração municipal. Na verdade, Leonardo era vereador no município. Na época da assinatura do documento, quem exercia a função como Secretaria de Administração de Cachoeira era Jurema Sá Neves Coelho.


E os rolos da CKS, escolhida pela SESPA do Pará para fornecer ambulâncias, não se verificam somente em prefeituras. O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) está investigando irregularidades na dispensa de licitação realizada pela SES/MT, ( a Sespa de lá ) para aquisição emergencial de 24 viaturas tipo UR (Unidades de Resgate/ambulâncias) em razão da demanda da pandemia do novo coronavírus. O MP cita que a empresa CKS Comércio de Veículos Eireli, foi contratada pelo Fundo Estadual de Saúde pelo valor total de R$ 5.602.800,00.( cinco milhões, seiscentos e dois mil e oitocentos reais) O valor de cada ambulância teria sido de R$ 233.450,00, quando na realidade os valores praticados seriam menores. Diga-se de passagem que a empresa ofereceu ambulâncias para o governo do Pará na média de R$ 250 mil a unidade.


Na cidade de Candeias, na região metropolitana de Salvador, o Ministério Público Federal, através do procurador da república Ovídio Augusto Amoedo Machado, abriu inquérito para apurar sobrepreço na licitação, por parte da prefeitura, na compra de respiradores e máscaras descartáveis. A Manupa foi a empresa que vendeu os equipamentos, sem licitação. O município pagou R$ 175 mil por cada um dos oito ventiladores adquiridos, totalizando R$ 1,4 milhão, sendo que a prefeitura de Salvador teria comprado equipamentos do mesmo tipo pelo preço unitário de R$ 32 mil. Meses depois, a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do prefeito de Candeias e na sede da Prefeitura. O processo está tramitando na justiça federal.


Em São Sebastião do Passé, no estado da Bahia, o Tribunal de Contas dos Municípios suspendeu o processo licitatório para a aquisição de dois veículos para transporte hospitalar de pacientes (UTI Móvel). O certame teve como vencedora a empresa CKS Comércio de Veículos, no valor de R$ 769 mil. A denúncia, neste caso, partiu da empresa Manupa.


No Pará, no contrato firmado celebrado entre a SESPA a empresa CKS Comércio de Veículos Ltda a estimativa é a compra de 48 ambulâncias, modelo Furgão, ao preço de R$ 245 mil reais cada, totalizando R$ 11.760.000,00 (Onze milhões, setecentos e sessenta mil reais). Com a Manupa Com. Exp. Imp. de Equip. e Veículos Adaptados Eireli, a previsão é da aquisição de 42 ambulâncias tipo C – Pré Hospitalar Modelo Furgão, pelo valor unitário de R$ 287.900,00 (duzentos e oitenta e sete mil e novecentos reais), totalizando R$ 12.091.800,00 (doze milhões, noventa e um mil e oitocentos reais) e outras 42 ambulâncias UTI – modelo furgão, ao custo cada uma de R$ 390.329,13 (trezentos e noventa mil, trezentos e vinte e nove reais e treze centavos), ao valor total de R$ 16.393.823,46 (dezesseis milhões, trezentos e noventa e três mil, oitocentos e vinte e três reais e quarenta e seis centavos). Ou seja, a Manupa se prepara para abocanhar nada mais, nada menos, que R$ 28.485.623,46 (vinte e oito milhões, quatrocentos e oitenta e cinco mil, seiscentos e vinte e três reais, quarenta e seis centavos).


E Ainda tem a empresa Coutim Escritório, Distribuição e Comércio Ltda, que está na agenda da Sespa para a compra de 208 (duzentas e oito) ambulâncias tipo B, pré-hospitalar, modelo furgão, custando cada uma R$ 238.950,00 (duzentos e trinta e oito mil, novecentos e cinquenta reais). A Coutim é quem deverá receber a maior bolada, R$ 49.701.600,00 (quarenta e nove milhões, setecentos e um mil, seiscentos reais). Em 2017, em contrato firmado com a prefeitura de Paragominas, a Coutim vendeu duas ambulâncias pelo valor global de R$ 206 mil reais, saindo cada uma por R$ 103 mil, valor bem abaixo de R$ 238 mil, valor unitário das ambulâncias com o a SESPA.

370 visualizações0 comentário