• O Antagônico

A Máfia das OSs. Marabá. O Professor. A Esposa. A Inai e os R$ 43 Milhões



A oposição de Helder Barbalho prepara artilharia pesada para uso durante a propaganda eleitoral. Material é o que não falta. Só o escândalo da saúde renderia, nas mãos de bom marqueteiro, munição para quatro campanhas, no mínimo.


Por falar em “Máfia das OSs”, não passou sequer uma semana em liberdade Fernando Rodrigues Carvalho, conhecido como “Professor”, administrador de hospitais e velho conhecido de Nicolas Tsontaski, apontado como elo de ligação entre a quadrilha e o governador do Pará. Posto em liberdade dia 08 de abril, por ordem do STJ, o mesmo foi novamente preso uma semana depois, em nova operação da PF. O “Professor”, além de ter relação estreita com Nicolas, volta e meia era visto em solo paraense, atuando nos bastidores da organização criminosa.


O Antagônico publica abaixo conversas travadas no dia 24 de maio de 2020, entre Fernando e Valdir Segato, tratando sobre uma viagem, a mando de Cleudson Montali, à Belém e à Marabá. Na conversa, os dois falam de uma investigação da promotoria de Marabá e combinam que o nome de Cleudson e da OS Pacaembu não podem ser relacionados a investigação. Os diálogos também apontam uma visita de Cleudson e que o mesmo estava focando seus negócios em Marabá.


Fernando – Então é assim. Já falei com o Régis e com o Cleudson. Querem que a gente vá pra lá pra ver como nós vamos fazer as coisas. Porque assim não pode aparecer..
Segato – Pacaembu..
Fernando – Não pode aparecer Pacaembu. Não pode aparecer o Cleudson. Estamos indo pra lá pra fazer um trabalho pela Segato tá Valdir ?
Segato – Independente !
Fernando – Isso ! Vai ter que fazer toda a página de implantação da Segato lá. Já falei com o Alna. A gente vê com ele como tem que fazer. O Cleudson disse que a Kelly tem que ir. Vai fazer uma reunião como o pessoal do governo lá, pra gente mexer.
Segato – Alinhar com eles.
Fernando – Isso. Escuta, cê vai como pra lá ?
Segato – Cara. Ele comprou a passagem pra ir junto com você.
Fernando – É. Nós vamos no mesmo vôo.
Segato - Cê vai vir de Itu. Como cê vai pra lá.
Fernando – Se for o caso ei ia com você e a Valéria me levava em Judiaí.
Segato – Tá. Vamo num carro só. Lá no Pará nós vamos depois de fretado lá pra Marabá. É isso ?
Fernando – É isso mesmo. Eles vão fretar avião. Nem mexi nisso.
Segato – Tá bom.
Fernando – Nem avião, nem hotel. Eles vão se virar lá.
Segato – Espero que se virem. Eu to largando 2 trabalhos aqui. Eu falei lá de 25 paus pra esse trabalho. Achei até que é pouco, mas tudo bem.
Fernando – Não. Vamos conversar. Vamos ver o tamanho do rombo lá pra gente ter uma idéia.
Segato – Tá mais ai a tua parte a gente soma na Segato. Depois me paga. Eu te reembolso.
Fernando – Sim. Tranquilo.
Segato - Quanto tempo vamos ficar lá ?
Fernando – Cara. Eu não marquei passagem de volta. Mas tô achando que é uma semana.


Mais adiante, no dia 28 de maio de 2020, Fernando, já em Marabá, conversa com sua esposa Valéria, que está em Curitiba. No diálogo, ele afirma que Cleudson, citado como chefe, é dono de fato da OSS Inai, que , naquela ocasião, tinha R$ 43 milhões de dinheiro público na conta. Fernando comenta com a esposa sobre a possibilidade de assumir a Saúde no Estado do Rio de Janeiro. Valéria diz que Cleudson vai acabar sendo preso pela Polícia Federal.



Fernando – Meu chefe veio aqui.
Valéria – Cê conversou com ele ?
Fernando – Ele chegou às duas e meia e foi embora às três e quinze .
Valéria – Ele falou alguma coisa ou não falou nada.
Fernando – Ele só falou que vamos ganhar tempo. Disse que o foco dele agora aqui. (Marabá). Disse que a OSS Inai é dele e quem manda é ele. Ele tá se achando a última bolachinha do pacote.
Valéria – A cê falou eh ?
Fernando – Ai tem. Tem uma conta corrente só aqui, dinheiro de todos os projetos. Sabe quanto tempo tem na conta ? R$ 43 milhões. Uma OSS que começou ontem. Não tem bosta nenhuma.
Valéria – É tudo dele ?
Fernando – É. Falou do Segato. Que o Segato vai fazer a prestação de contas. Acertar tudo bonitinho. Me agradeceu muito. Mas comeu o rabo dos cara também.
Valéria – Vai ficar só no muito obrigado ?
Fernando – Falei pro Régis. O dinheiro que cês vão me passar não é adiantamento. É pagamento.
Valéria - Cê tinha que falar pra eles depositarem na tua conta.
Fernando – Eu falei pra ele que era no começo de agosto . Não posso mudar agora a regra do jogo.
Valéria – Pode adiantar ué !
Fernando - R$ 43 milhões na conta.
Valéria – Tá certo .
Fernando – Nós vimo o extrato, que nós tamo fazendo a conciliação.
Valéria – Mas tá no nome dele essa OSS ?
Fernando - Não. Ele colocou gente dele. Tudo pessoal dele.
Valéria – há tá.
Fernando – Pior que tão chamando ele pro Rio de Janeiro. Aquelas labas lá. Tá caindo. Vão tirar de tudo.
Valéria – Mas Fernando. Ele tá muito do esperto. Polícia Federal vai pra cima dele e não vai demorar. Cê tinha que que dá uma pressionada no Régis. Ou dar um jeito de tirar algum dinheiro daqui.
Fernando – Vamos fazer o nosso. Acertar o nosso. Minha meta é fechar uma parte. Sem precisar financiar nada. Temos que comprar um apartamento, depois do zero. Até o final do ano nós vamos tocar a Pacaembu do nosso jeito

455 visualizações0 comentário