• O Antagônico

A Prefeita de Ulianópolis, Os Médicos, os R$ 350 Mil. A Ameaça de Afastamento e o Procurador


O Procurador Geral de Justiça do Pará, Gilberto Valente, vai solicitar à promotoria local celeridade nas investigações, envolvendo a contadora e atual prefeita de Ulianópolis, Kelly Destro. Em fevereiro deste ano, a promotora de Ulianópolis, Helem Talita Lira Fontes, instaurou uma investigação para apurar as denúncias sobre a contratação da empresa Clínica Gaster para atender as necessidades da Secretaria Municipal de Saúde. Antes mesmo de prestar qualquer serviço aos munícipes, Kelly Destro, de uma canetada só, liberou R$ 350 mil reais para a empresa.


O valor total do contrato de seis meses é de R$ 700 mil, ou seja, sem fazer sequer um curativo, a Clínica Gaster embolsou 50% do valor contratado. O Antagônico apurou que o MP pedirá a imediata suspensão do contrato, por entender que se trata de fraude continuada. Diante de tantas evidências, Destro pode sofrer várias sanções, inclusive ser afastada do cargo. Motivos não faltam.


A prefeita é ré, juntamente com os médicos sócios da empresa, em uma Ação Penal que tramita na comarca de Paragominas. “Vou conversar com a promotora de Ulianópolis. Ela já instaurou um Procedimento e deve estar colhendo oitivas e provas”. Disse o procurador Gilberto Valente, frisando que caso se comprove as denúncias a procuradoria irá agir, com rigor, para penalizar todos os envolvidos, como manda a Lei.


Na Ação Penal, a prefeita e os médicos são acusados por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica. Procurado por nossa reportagem, o ex-prefeito de Paragominas, Paulo Tocantins, declarou que, à época dos fatos, rompeu o contrato com a empresa após as denúncias.


Em contato com O Antagônico na tarde de hoje, o procurador disse que já solicitou cópia da Ação Penal, iniciada em 2017, através de um Procedimento Investigatório Criminal instaurado em 2017, pelo promotor de justiça Reginaldo César Lima Alvares, contra os médicos Marcelo Vieira Barros de Lima, Rogério Leonel Borges, Luzia Ferreira de Sousa e Kelly Cristina Destro, sendo a última atual prefeita de Ulianópolis. O MP denunciou os quatro acusados.


De acordo com os autos, os médicos Marcelo Vieira e Rogério Leonel, com a ajuda de Kelly Destro, fraudaram a constituição da empresa Clínica Gaster, para possibilitar que a mesma participasse de uma licitação na Prefeitura de Paragominas. Na Ação Penal, que tramita na comarca de Paragominas, os promotores relatam o passo a passo das fraudes. A empresa Paragominas Serviços Médicos, cujo nome de fantasia é Clínica Gaster, foi constituída em janeiro de 2013, com capital social de R$ 20 mil reais e tendo como sócios os médicos Marcelo Barros e Rogério Borges.


Em junho de 2013, diante do impedimento da empresa participar de uma licitação na prefeitura de Paragominas, uma vez que os dois sócios eram lotados na Secretaria Municipal de Saúde, tiveram a ideia de fraudar o certame, transferindo a empresa para um “laranja”, a doméstica Luzia Ferreira de Souza. Foi ai que entrou em cena a contadora Kelly Cristina Destro, que foi procurada pelos dois médicos e providenciou toda a montagem da fraude.


Em outubro de 2014, depois que a empresa venceu a licitação, o escritório da hoje prefeita de Ulianópolis voltou a atuar no esquema criminoso, desta feita para alterar novamente a constituição da empresa, tirando o nome do "laranja" e devolvendo a titularidade da mesma novamente para os médicos Marcelo e Rogério.


Em depoimento prestado no MP, a senhora Luzia Ferreira disse que apenas fez um “favor” para Marcelo, que conhecia desde criança. Ela narrou que era aposentada, recebia um salário mínimo e que não sabe ler nem escrever. Os médicos Marcelo Barros e Rogério Borges, em depoimento prestado na promotoria de Paragominas, também confessaram todo o esquema criminoso, assim como a atual prefeita de Ulianópolis Kelly Cristina Destro, que agiu como mola mestra da fraude.

838 visualizações0 comentário