• O Antagônico

A Sefa. O Sindifisco. O Renê Sousa. O Teto Remuneratório. Os Auditores O Bolso e a Ameaça

Atualizado: 27 de mai.



Promete ser quente a Assembleia Geral do Sindicato dos Fiscais da Fazenda do Pará, Sindifisco, marcada para a manhã desta quinta-feira, 26. Detalhe: a assembleia acontecerá no saguão de um tradicional hotel de Belém e não na Sefa, com dantes. Coisas da nova gestão! Dentre as pautas mais nevrálgicas estão a aprovação, ou não, do teto remuneratório isonômico, que está rendendo, e muito. Com efeito, como pede a importância do evento, todas as vertentes estão sendo convocadas para a peleja. É nesses momentos que o corporativismo se torna palavra de ordem na Sefa, unindo, direita, esquerda, centro e quem mais se apresentar no front.


A missão dos sindicalistas é fulminar a pretensão de Renê Sousa, o atual secretário estadual, de alterar a gratificação de produtividade. Para tanto, já é voz corrente que a categoria vai pedir ao governador Helder Barbalho algo quase impossível, principalmente se tratando de ano eleitoral: a cabeça do secretário. A ideia, embora remota, é substituir Renê por um auditor fiscal de carreira.


Na verdade, o grande imbróglio está no fato dos auditores não reconhecem os índices de arrecadação alcançados pela receita estadual do Pará como méritos da gestão Renê, mas sim de um conjunto de fatores, em especial o empenho e dedicação do corpo de auditores e fiscais do grupo CAT. Mas há quem aposte que Renê Sousa pode tomar bola nas costas e acabar atropelado pela carreta política do fisco paraense. À boca pequena, os rumores indicam que Renê subiu no salto, esquecendo de regras básicas do jogo político, somadas aos grupos internos da Sefa. Tanto isso é verdade que dentro da gestão Helder já existe um Tsunami em andamento para varrê-lo da cadeira.



E esse jogo não é para amadores. Estamos falando de nomes de peso como Hanna Ghassan Tuma, ex-secretária de planejamento e virtual vice de Helder, Iran Lima, ex- chefe casa civil e candidato a deputado estadual, Elieth Braga, secretária de educação, Ivaldo Ledo, secretário de planejamento, Lourival Barbalho, secretário adjunto do tesouro estadual e primo do governador, (dispensa apresentações), Celso Sabino, deputado federal e Charles Alcântara, presidente licenciado do Sindifisco Pará e da Federação Nacional do Fisco- Fenafisco.


Na Sefa do Pará, como até as pedras sabem, impera os egos e orgulhos inflados e a sede por poder a qualquer custo. Agora, com as cartas postas na mesa o resultado é imprevisível, levando-se em consideração que está em jogo uma coisa chamada dinheiro, palavra que, no dicionário dos auditores, está sempre em primeiríssimo lugar. E quanto mais melhor !!! Ouçam a seguir o áudio de convocação para a assembleia:


https://drive.google.com/file/d/1qPRrBwdyueKJR-cqnqC2ljTtxLs7Vu7g/view?usp=sharing



896 visualizações0 comentário