• O Antagônico

As Carcereiras e a Agressão à Detenta. A Cadeia de Jovens, Os Agentes e a Tortura


Como já noticiado em O Antagônico as autoridades paraenses precisam atentar para violações de direitos humanos por conta de rotineiras agressões e até tortura contra presos, práticas reprováveis e que ainda são empregadas dentro das unidades penais do Pará. Vejam só: Corregedor Penitenciário do Pará, Renato Nunes Valle, abriu Sindicância Administrativa Investigativa para apurar a agressão sofrida pela detenta Eliane Mendes de Sousa, por parte das agentes prisionais Amanda da Silva Soares, Sirley Weder Barbosa Duarte, Sília Maira Ferreira Ribeiro, Gerusa Oliveira da Rocha, Eliane Ne Gama Ferreira e Maurício da Silva Chagas.


A agressão teria ocorrido dentro do Centro de Reeducação Feminino- CRF, no dia 06 ou 07 de novembro de 2020. Ainda com relação a agressão a presa, corregedor também abriu sindicância para apurar a omissão dos servidores Jucélia Castro Saraiva, José Carlos Matos Lopes, Rubens Wagner Valente de Souza, Brenda Luciana Lago Praxedes e Adryan Karine Silva Soares, objetivando apurar a responsabilidade administrativa ou funcional dos servidores.


Em outra ocorrência, na Cadeia Pública de Jovens e Adultos- CPJA, o corregedor determinou a abertura de um Processo Administrativo Disciplinar, PAD, para apurar a prática de tortura contra o preso Raimundo Prata de Araújo, por parte dos agentes prisionais Josimar Machado de Vasconcelos, Jhonathan Amorim Brasil e Paulo Cezar Pereira Braga. Cópia da Portaria foi enviada à Vara de Execução Penal da Região Metropolitana de Belém e ao Ministério Público do Estado do Pará, para conhecimento e providências.

26 visualizações0 comentário