• O Antagônico

Helder Barbalho e a Praga do Filhotismo. O Pará, Os Escândalos de Corrupção e o Mar de Lama



Nunca antes na história o Estado do Pará esteve tão em evidência no quesito corrupção quanto na gestão do governador Helder Barbalho. O Pará, que outrora se destacava na mídia nacional pelo Açaí, Agronegócio, comidas típicas e pela singularidade de seu povo, agora brilha nos jornais, sites e revistas Brasil afora como o Pará do Covidão, da corrupção sistêmica, do álcool em gel, das garrafinhas, do dinheiro no isopor, das bombas de infusão, dos respiradores imprestáveis, dos secretários presos e por ai vai. E a coisa só piora.


Em pesquisas no Google o nome Helder Barbalho aparece intrinsicamente ligado a corrupção e escândalos. Nem na época em que Jader Barbalho, pai de Helder, foi governador do Pará, se viu tantas denúncias de corrupção. Na prática é a criatura superando o criador. Nunca antes o Palácio do Governo e a casa de um mandatário do nosso Estado tinham sido visitados pela Polícia Federal.


Com efeito, diante de tantos escândalos, Helder Barbalho se tornou uma espécie de inimigo público, não só do Pará, mas, do Brasil, colecionando dezenas de processos e pedidos de afastamento do cargo, fazendo o Estado do Pará sangrar. Diante deste triste cenário, O Antagônico publica, neste Domingo de Páscoa, o texto do jornalista Jorge Pontes, publicado na revista Veja no dia 29 de setembro do ano passado. Uma matéria para leitura e reflexão:

Operação da PF contra Barbalho reafirma a praga do “filhotismo”


Por Jorge Pontes


“A operação S.O.S que a Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 29, nos mostra “mais do mesmo” e, principalmente, reafirma à sociedade brasileira a praga que representa o “filhotismo” a nossa política. Foram presos dois secretários e um assessor do governador do Pará, Helder Barbalho, com suspeitas de envolvimento em fraudes no sistema de saúde daquele estado.


No total foram cumpridos 278 mandados de busca e apreensão e 76 de prisão, um deles no gabinete do próprio governador. Uma das características estruturais do crime institucionalizado – cometido por grande parte da nossa política – é o envolvimento de clãs familiares, que funcionam como verdadeiras dinastias, dominando por décadas a administração pública de municípios, estados e até mesmo o próprio cenário político nacional.


E não se tratam, os casos conhecidos, de descendentes de grandes vultos seguindo os passos gloriosos de seus antepassados. Pelo contrário, são herdeiros do retrocesso. Replicam, com nova roupagem, as práticas rasteiras – e desmoralizadas – de seus ascendentes. E aí vemos, cometidos pelos mesmos sobrenomes, fraudes em licitações, esquemas em grandes contratos de serviços e obras públicas, desvios e rachadinhas…


Tratando a política como uma empresa ou negócio familiar, esses grupos reproduzem uma das principais características das organizações tipo máfia, que é o envolvimento de étnicos – da consanguinidade – na administração das suas estruturas criminosas.


O eleitorado, nesses casos, merece igualmente ser estudado, pois age aparentemente hipnotizado por sobrenomes que, por si só – com a carga de escândalos que carregam por décadas – já deveriam ter sido efetivamente banidos da vida pública.


Esses políticos praticam, com a caneta e o diário oficial, um populismo barato que os alçam à anacrônica condição de “neo-social bandits”, como definiria Eric Hobsbawn, manipulando e mantendo em erro – e em currais eleitorais – dezenas de milhões de eleitores, com projetos superficialmente assistencialistas e sempre demagógicos. Vemos, em profusão, governadores, senadores, deputados e prefeitos, enfim, caciques políticos de diversas matizes, todos com envolvimentos em escândalos de corrupção, promovendo a entrada de seus filhos – e até mulheres – na política, tudo às custas de uma notoriedade às avessas. E essas famiglias acabam por sequestrar e dominar regiões inteiras, por anos a fio.


A perpetuação do atraso, nesses casos, tem nome e, principalmente, sobrenome. Não é a toa que, hoje em dia, vemos políticos com um, dois, três (talvez quatro) filhos na atividade política. É realmente impressionante como a aptidão e o pendor para a política recai em famílias inteiras…

Haja vocação!”

1,508 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo