• O Antagônico

O Abelardo Santos. O ISSAA, O Aditivo de R$ 15 Milhões e a Farra da Pandemia



Mesmo com a considerável queda dos casos de Covid no Pará, a gestão Helder Barbalho segue na farra com o dinheiro público, tendo como pano de fundo a pandemia. Vejam só: A Sespa publicou esta semana mais um contrato aditivo milionário. O Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia – ISSAA, o mesmo que assumiu a gestão do Abelardo Santos, depois que o Estado rompeu o contrato com a OS Pacaembu, vai abocanhar a fábula de, acreditem, R$ 15.100.000,00 (quinze milhões e cem mil reais), a título de aditivo, pelo período de 60 dias, para que o Abelardo Santos possa atender casos de COVID-19, mantendo porta aberta pediátrica e cirurgia emergencial.


Apesar de já ter recebido uma fortuna do governo do Pará, pouco se sabe sobre o Instituto. Em sua página na web, constam apenas 5 ou seis parágrafos de informações, resumindo-se a um grupo de pessoas militantes na área da saúde há mais de 40 anos “com a nobre missão de promover a Saúde, Educação, Assistência Social à população, através de uma gestão inovadora, responsável e transparente, executando as políticas públicas e auxiliando na sistemática das relações sociais”. Simples assim.


Com endereço no bairro Umarizal, n 985, no 14 Andar, o ISSAA foi fundado em março de 2015. Mas, meteoricamente, ganhou terreno e em menos de seis anos conseguiu fechar contratos faraônicos. Sua atividade principal é apoio à gestão de saúde. Tem em seu quadro de sócios Manuel Fernando Gomes Moreira, Presidente e ainda Eduardo Aniceto Portella e Rodrigo Fernandes Moreira.


Manuel Fernando Gomes Moreira foi destituído do cargo de Diretor Financeiro do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento IMED, Associação Civil sem fins lucrativos. Destituído em assembleia geral no dia 23 de novembro de 2018. Foi comunicado por AR. O diretor presidente era André Silva Sader.

267 visualizações0 comentário