• O Antagônico

O Jatene. O Sabino. O Helenilson. O União Brasil. A Reunião no AP. Marcio Miranda e a Candidatura

Atualizado: Nov 24



Enquanto o PSDB não decide quem será o candidato da sigla a Presidente da República, no Pará, a movimentação política é intensa visando as eleições de 2022. Na manhã da última sexta-feira, 19, uma reunião no apartamento do deputado federal Celso Sabino, PSL, deu prosseguimento a mais um capítulo das tratativas para o pleito que se avizinha. Além do próprio Sabino, participaram do encontro o ex-governador Simão Jatene, (PSDB) e Helenilson Pontes.


Na reunião, Jatene, que tem pendências sérias na seara eleitoral, se declarou candidato a governador, tendo Marcio Miranda como vice. Em caso da inviabilidade de Jatene, a bola da vez seria Miranda, que disputou o governo do Pará com Helder Barbalho em 2018, obtendo significativos um milhão, seiscentos e sessenta e três mil votos. A informação foi confirmada por Helenilson Pontes.

“Jatene é candidato. Se não for ele será o Marcio Miranda. Eu serei candidato a senador”.

Disse Pontes a O Antagônico, pontuando que o tucano poderá fazer parte de uma frente ampla para disputar o governo do estado com Helder Barbalho e Zequinha Marinho, definindo assim, em três, o número de candidatos a cadeira do executivo estadual, levando, consequentemente, a peleja para o segundo turno, tudo que o grupo dos Barbalhos não quer.


Em contato com nossa reportagem, o deputado federal Celso Sabino saiu pela tangente, afirmando que o seu partido, o PSL, está conversando com todos os prováveis candidatos ao governo do Pará.

“O PSL não lançará candidato a governo. Já conversamos com o Helder e recebemos a visita do ex-governador Simão Jatene. Ainda iremos reunir com o senador Zequinha Marinho, que já se declarou candidato ao governo.”

Disse Sabino frisando que o encontro com Jatene foi intermediado por Helenilson.


Sobre o apoio a uma eventual candidatura de Jatene, o deputado ponderou que o União Brasil, partido em formação, resultante da fusão do DEM com o PSL, é quem dará o tom da orquestra.

“Estamos conversando com todas as forças políticas. Nesse momento nossas atenções estão voltadas para o União Brasil”.

Procurados por O Antagônico, Simão Jatene e Márcio Miranda não retornaram nossas ligações.

1,061 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo