• O Antagônico

O Maiorana e o Despejo. A Empresa, A Justiça e a Liminar



Prossegue na justiça a Ação de Despejo movida pela empresa Ciexp- Comércio e Exportação do Pará contra o empresário, advogado e jornalista Ronaldo Maiorana. A empresa alega que Ronaldo se encontra inadimplente com suas obrigações desde dezembro de 2018, o que importa em um débito de R$ 300.000,00. Em contrapartida, o jornalista ingressou na justiça com uma Ação Declaratória de Inexistência de Débito com pedido de tutela de urgência. Ronaldo narra que, em julho de 2016, as partes celebraram um contrato de locação e, em seguida, um instrumento de confissão de dívida no qual se convencionou que os aluguéis seriam reduzidos de R$ 15.000,00 para R$ 8.000,00 a partir de março de 2018. Como ocorreu atraso no pagamento dos aluguéis, as partes rescindiram o contrato em maio de 2019, tendo o autor Ronaldo Maiorana se obrigado a reformar o imóvel locado no prazo de 120 (cento e vinte) dias, sendo que neste período não incidiria a cobrança de aluguéis. Convencionou-se, ainda, que o autor Ronaldo Maiorana assumiria a responsabilidade integral da transação desonerando a fiadora. Contam, então, que réu protestou indevidamente o contrato de locação já rescindido pelo valor exorbitante de R$ 243.299,52, uma vez que a reforma assumida vinha sendo adimplida parcialmente embora esgotado o prazo de 120 dias previsto no contrato, bem como que o réu vem difamando o primeiro autor. “Assim, diante da conduta difamatória do réu e da ausência de fundamento para cobrança de dívida de aluguel que já foi totalmente quitada, pretendem a concessão da tutela de urgência para o cancelamento do protesto indevido, bem como para que o réu seja obrigado a se abster de cobrar, informar, noticiar, negativar, comentar por qualquer meio e para qualquer pessoa a respeito das dívidas do primeiro autor, sob pena de multa”. A batalha promete !!!

167 visualizações0 comentário