• O Antagônico

Os Sarney e os Porto, o Judiciário Maranhense, O Presídio de Pedrinhas e a Prisão sem Provas

Atualizado: Abr 1



No vizinho Estado do Maranhão, onde ainda reina a família Sarney, um homem está preso há mais de quatro anos. Trata-se do cárcere de Lucas Porto, uma das prisões cautelares mais longevas já vistas no Judiciário maranhense. Os advogados de defesa apontam falhas diversas no rito processual, na perícia e na investigação. Seriam esses fatores propositais para prolongar a prisão irregular de Lucas?


Bem, seja qual for a intenção do Judiciário do Maranhão, a exemplo do andamento dos processos, a passos largos, coloca o suspeito do crime, Lucas Porto, em desvantagem total no caso. Afinal, ele e mais de 11 mil presos estão cumprindo prisão provisória, sem julgamento, no Complexo de Pedrinhas, um dos presídios mais caóticos do Brasil.


Não era para menos. Afinal, pesa contra Lucas Porto a acusação, (segundo a defesa sem provas, sem confissão, sem perícias adequadas) de ser autor da morte e estupro de Mariana Costa. Seria apenas mais um crime na crônica policial maranhense não fosse Mariana filha do ex-deputado Sarney Neto e sobrinha neta do ex-presidente José Sarney. A defesa diz que a família da vítima achou "caminhos" para incriminar Lucas, que era muito amigo da vítima. No dia do crime, Lucas esteve no apartamento em que a vítima morava com o marido e as filhas.


Perguntas sem respostas pairam sobre o caso. Onde estava o marido de Mariana no dia do ocorrido? Por que o viúvo, já condenado em 2ª Instância, pelo estupro de uma menor (a própria sobrinha) denunciado pelo próprio irmão à polícia, respondeu Inquérito, foi sentenciado pelo Judiciário a mais de 14 anos de prisão, mas está solto, enquanto Lucas está preso? O Julgamento de Lucas Porto está marcado para ocorrer no dia 24 de maio, em São Luís, capital do Maranhão.

312 visualizações0 comentário